domingo, 27 de junho de 2021

O alerta das ruas exibe o sinal claro através das pesquisas que o brasileiro não está satisfeito

 


 


O eleitor brasileiro apresentou sinais claros de amadurecimento. Melhor, sinalizou claramente que sabe o que quer, sabe decidir, em quem votar. O péssimo desempenho do presidente nas pesquisas mostra bem o inconformismo. A eleição de Bolsonaro em 2018 foi um gesto claro de rejeição ao governo Dilma e Temer e não aos governos de esquerda. Não se deve generalizar, é um erro grave e histórico.

 

O ex-presidente Lula tem dito que em 521 anos, desde a descoberta, o Brasil só foi governado pela esquerda após a ditadura militar, tendo sido responsável pela reconstrução da democracia e sustentado a estabilidade econômica e social da nação. Ciro Gomes, atento que segue o cotidiano brasileiro é um crítico do PT mas está abraçado a esquerda e aos movimentos dos partidos de centro e centro esquerda.  Sua imagem também vai se dissolvendo.   Como uma pedra de gelo, o presidente tem convicção que tudo é uma grande mentira das pesquisas, da imprensa e da esquerda radical.

 

O presidente Bolsonaro não sabe mais como se mover para convencer o Brasil que vacina não resolve, que máscara não protege e que está tudo normal, a pandemia é obra de marketing da Organização Mundial de Saúde, a poderosa OMS, reconhecidamente o órgão que reúne o maiores cientistas do mundo. Bolsonaro pode ter suas convicções, tentar ser diferente, defender o agronegócio, o comércio e banqueiros, mas precisa também se situar em conformidade com a sociedade, principalmente os mais vulneráveis. Os pobres são as maiores vítimas da COVID-19.